Autodeterminação dos povos e integração latino-americana por meio da valorização da cultura e da democratização da comunicação.

Share
→ Conheça o Soyloco
6 de julho de 2010 —

Morre o Grande Ayatollah Sayyed Fadlullah: Uma vida de conhecimento e defesa do povo muçulmano

www.nazen.tk

A seguir busco expor um pouco sobre a morte, no domingo 04 de Julho de 2010, do grande Aiatolá Mohammed Hussein Fadlullah, um modernizador e uma das maiores autoridades xiitas do mundo, líder espiritual do partido Hezbollah, do Líbano.

Selecionei três artigos de fontes tanto quanto distintas para compreensão do impacto de sua morte e do contexto histórico onde se insere politicamente o Aiatolá Fadlullah: a agência de notícias internacional REUTERS (em inglês), do grupo de comunicação libanês Al Manar e do blog de Gustavo Chacras, do Estadão.

Trata-se de grande perda para o mundo pois  o Aiatolá Fadlullah (A.S) exercia grande contribuição à comunidade muçulmana ajudando a modernizar o islamismo xiita, adaptando-o à liberal sociedade libanesa assim como na defesa de sua cultura e soberania. Seja através de seus sermões, sua produção textual ou da associação dedicada a manter seu legado de estudo Islam, a Bayynat.

O Grande Ayatollah Sayyed Fadlullah representa a dedicação de uma vida de conhecimento e defesa do povo muçulmano e, mesmo como um modernizador tinha crítica severa a intervenção dos “Aliados” no Oriente Médio pós segunda guerra - que sequer participava do conflito – criando o Estado de Israel.

Veja também: BayynatAl JazeeraGustavo Chacra

From: Al Manar

Logo Morre o Grande Ayatollah Sayyed Fadlullah: Uma vida de conhecimento e defesa do povo muçulmano

06/07/2010 11:29:42 AM GMT  |

fadlallah3 saidaonline Morre o Grande Ayatollah Sayyed Fadlullah: Uma vida de conhecimento e defesa do povo muçulmano

Ayatollah Sayyed Fadlullah
foto: saida online


Sayyed Mohammad Hussein Fadlullah was born in Iraqi??s holy city of Al-Najaf on November 16, 1935 /1354H. He was raised and educated by his father who greatly influenced the life and thought of his son.

His father Sayyed Abdul Ra`ouf Fadlullah: Born in 1325H/, went to Najaf and studied with Mirza Fatah` Ash-Shahid, Sayyed Abul Hassan Al-Asfahani, and Sayyed  Abdul Hadi Al-Shirazi. He became a prominent scholar and a widely sought and appreciated teacher. He stayed with his brother, Sayyed Muhammad Saâ??id and went to the south of Lebanon when the latter died. There he continued his studies and became a religious authority capable of issuing religious decrees (Fatwas). He was known for his piety asceticism and good morals. He had a great influence on his son who benefited a lot from him until he died.

Education:
Sayyed Fadlullah went first to a traditional school (Kuttab) to learn the Quran and the basic skills of reading and writing. Then he went to a modern school where he stayed for two years and studied in the third and fourth elementary classes. Sayyed Fadlullah began Islamic theology studies at a very young age.  He also used to take great interest in the whole cultural and literary scene, which he followed up by reading Lebanese, Egyptian and Iraqi magazines and newspapers.

Sayyed Fadlullah also studied the Arabic language, logic and Jurisprudence, and some philosophy. He did not need another teacher until he studied the second part of the course known as Kifayat al Usul which he studied with an Iranian teacher called Sheikh Mujtaba Al-Linkarani. He attended the Bahth Al-Khariji (External Research) in which the teacher does not restrict himself to a certain book but gives more or less free lectures.

Teachers
Sayyed Fadlullah attended the Bahth Al-Khariji of some of the greatest scholars and religious authorities of that time including: Sayyed Abulkassim Al Khouâ??i, Sayyed  Mohsen AL-Hakim, Sayyed  Mahmoud Shah`roudi, Sheikh Hussein Hilli, Mullah Sadra Al-Qafkazy who was known as Sheikh Sadra Al-Badkoubi.

Academic and literary Activities
When Sayyed Fadlullah was only ten or eleven years old, he joined hands with some friends in publishing a hand written magazine they called Al-Adab. He then took part in editing the Al-Adab magazine (1380H) that was published by Jammat Al- Ulama (Scholarsâ?? Group) at Najaf. He used to write the second editorial called â??Kalimatunaâ? (Our Message) and these articles were then compiled in a book called, â??Our issues in the light of Islamâ?. The first â?Our Messageâ? editorial was written by Martyr Sayyed  Mohammed Baqir As-Sadr.

Back to Lebanon
After 21 years of studying under the prominent teachers of the Najaf religious university, Sayyed Fadlullah concluded his studies in 1966/1385 H and returned to Lebanon. He had already visited Lebanon in 1952 where he recited a poem mourning the death of Sayyed Muhsin Al-Amin.

In 1966 he received a invitation from a group of believers who had established a society called â?Usrat Ataakhiâ? (The family of Fraternity) to come and live with them in the area of Nabaaâ??a in Eastern Beirut. Sayyed Fadlullah agreed, especially as the conditions at Najaf impelled him to leave.

In Nabaâ??a, he began organizing cultural seminars and delivering religious speeches that discussed social issues as well.

Nevertheless, his main concern was to continue to develop his academic work. Thus he founded a religious school calledâ? The Islamic Sharia Instituteâ? in which several students enrolled and later became prominent religious scholars including Martyr Sheikh Ragib Harb., one of the main founders of the Islamic Resistance in Lebanon. He also established a public library, a womenâ??s cultural center and a medical clinic.

When the Lebanese civil war erupted in 1975, he was forced to leave the Nabaâ??a neighborhood. He moved to the Southern suburb of Beirut where he gave priority to teaching and educating the people. He used the Mosque as his center for holding daily prayers giving lessons in Quran interpretation, as well as religious and moral speeches. He even opened a religious school in the Sayyeda Zeinab (daughter of Imam Ali and sister of Imam Hussein pbut) neighborhood in Damascus, where he used to teach regularly.

Resistance:
Sayyed Fadlullah was a staunch fighter against arrogance and for the cause of freedom. He supported the international liberation movements and devoted his efforts to guide and back the international Islamic movements.

In this context, he took part along with Martyr Sayyed Muhammad Baqir As-Sadr in founding the Islamic Movement in Iraq as a first step towards an Islamic movement in the Shiite sphere. Then, in the late seventies, he announced his support to the Islamic Republic of Iran and the Islamic movement in Lebanon with all the means possible to ensure its success: speaking, writing, and defending its major arguments at every opportunity.

In his sermons, he strictly called for armed resistance to the Israeli occupations of Lebanon and Palestine, along with opposition to the existence of Israel. The media described him as the spiritual guide of the resistance. Before long he became the target of several assassination plots executed by local regional and international intelligence services.

Attempt of Assassination:
On March 8, 1985, a car bomb equivalent to 200 kg of explosives went off at a few meters from his house in the Bir El-Abed neighborhood in Beirutâ??s southern suburb. 80 people were martyred and 256 were wounded, most of them were children and women. The blast destroyed a 7-story apartment building, a cinema. The attack was timed to go off as worshippers were leaving Friday Prayers. “Sayyed Fadlullah escaped injury, as a woman had stopped him at the mosque seeking a few answers to some religion-related questions.

Sayyed Fadlullah accused the US, Israel and its internal allies of being behind the explosion.

Social Activities
In addition to academic and religious activities, Sayyed Fadlullah concentrated on social activities.

His Mabarrat Association was born, and it soon became one of the greatest pioneers and models in this field. The association which began its activities by building orphanages expanded and began to build social and medical centers as well as mosques.

The Mabarrat has now nine orphanages, two medical centers nine schools, one Vocational School, eight Islamic centers and other Media and Information centers.

Source: Al Manar Al Jazeera

______________________________________

De: LAILA BASSAM – Reuters

O Grande Aiatolá Mohammed Hussein Fadlallah, uma das maiores autoridades xiitas do Líbano e líder espiritual do partido Hezbollah, do Líbano, morreu em um hospital de Beirute no domingo.

Llíderes políticos e clérigos de vários países entre eles o Irã, Iraque e Bahrein homenagearam Fadlallah, refletindo a lealdade que ele mantinha de xiitas tão distantes como do Golfo e da Ásia Central.

O Grande Aiatolá Fadlullah, um experiente estudioso de 74 anos, estava muito debilitado para fazer os sermões regulares da sexta-feira há várias semanas. Ele esteve internado desde a última sexta-feira, 02 de Julho, devido a uma hemorragia interna.

Multidões compareceram à mesquita Hassanein, onde ele pregava no sul de Beirute, para prestar condolências. O Hezbollah disse que iria marcar seu falecimento com três dias de luto. O escritório de Fadlallah informou que ele será enterrado na mesquita na terça-feira.

“Ele era um guia não só para o Líbano, mas para todo o mundo e para os muçulmanos”, disse Abu Muhammed Hamadeh do lado de fora da mesquita Hassanein onde homens e mulheres choravam, alguns segurando fotos do líder. “A morte dele deixou um vazio muito grande no mundo árabe e muçulmano.”

Fadlullah foi um corajoso defensor da Revolução Iraniana e um dos primeiros a apoiar o partido iraquiano Dawa do primeiro-ministro Nuri al-Maliki. Ele também foi o líder e mentor espiritual do grupo guerrilheiro xiita Hezbollah durante a sua formação e depois que Israel invadiu o Líbano em 1982, mas depois ele se distanciou de seus laços com o Irã.

“Hoje perdemos um pai misericordioso e um guia sábio”, disse Sayyed Hassan Nasrallah, líder do partido Hezbollah . “Isso é o que ele era para esta geração. Nós aprendemos em sua escola a ser pessoas de diálogo, a rejeitar a opressão e a resistir à ocupação.”

Um crítico feroz dos Estados Unidos, que o classificou formalmente como terrorista, Fadlallah usou muitos de seus sermões para denunciar as políticas dos EUA no Oriente Médio, particularmente a sua aliança com Israel.

Mas ele também foi rápido em condenar os ataques de 11 de setembro de 2001, que mataram cerca de 3 mil pessoas nos EUA.

Fadlullah sobreviveu a várias tentativas de assassinato, incluindo um carro-bomba de 1985, que matou 80 pessoas no sul de Beirute. Reportagens dos EUA afirmaram que o ataque foi realizado por uma unidade de libaneses treinados pelos norte-americanos após ataques a alvos dos EUA no Líbano.

_________________________

OE Blogs gustavochacra Morre o Grande Ayatollah Sayyed Fadlullah: Uma vida de conhecimento e defesa do povo muçulmano

A história do líder xiita libanês que defendia até a clonagem

por Gustavo Chacra | do blog “De NovaYork a Beirute“, em blogs Estadão

06.julho.2010 09:10:33

Libaneses de todas as religiões lamentavam ontem em Beirute a morte do líder xiita Sayyed Muhammed Hussein Fadlallah aos 74 anos, ocorrida no domingo. Conciliador e moderado, ele servia de canal de diálogo intra-religioso com sunitas, druzos e cristãos no Líbano.

Fadlallah, nascido no Iraque, era idolatrado pelos xiitas e pelo Hezbollah. Apesar de sempre apoiar a organização, ele evitava se envolver com as determinações do xeque Hassan Nasrallah e nunca tentou ser líder ou integrar o grupo que é considerado terrorista por Israel e os Estados Unidos. Ao contrário, se mantinha distante, buscando aproximar os xiitas das outras facções sectárias libanesas. Também tentava modernizar o islamismo xiita, o adaptando à liberal sociedade libanesa.

Em suas fatwas, Fadlallah defendeu a clonagem, o uso de alguns  anti-concepcionais e o transplante de órgãos – estes três pontos são condenados por lideranças xiitas do Irã. “Um dia estarei em uma cama de hospital e o médico terá que decidir se o meu cérebro parou de funcionar e a minha vida terminou. Neste momento, não tente trazer de volta a minha vida através de máquinas. Retire meus órgãos e salve as vidas de outras pessoas”, disse o líder xiita em uma fatwa a favor da doação – não há informações se os seus órgãos foram doados.

Fadlallah também afirmava que o uso do hijab ou não deveria ser uma decisão unicamente da mulher e que não dizia respeito ao governo, criticando países como a Turquia e a França.   Uma das grandes iniciativas da vida de Fadlallah foi de tentar integrar o islamismo com o conceito de diversão. Em 2001, a organização assistencial do líder xiita abriu um restaurante com a finalidade de simbolizar esta integração. Com o nome de Al Saha, o sucesso deste restaurante se tornou um inclusive tema de um curso na Universidade Americana de Beirute (AUB, na sigla em inglês).

Mona Harb, professora da AUB, explicou em artigo sobre o restaurante de Fadlallah que “algumas mulheres que vão ao Al Saha não usam véu e se vestem de forma provocativa”. Visitei algumas vezes o restaurante, que não serve álcool, e pude confirmar esta descrição da professora. Unindo o “islã e a diversão”, o líder xiita conseguia atrair inclusive jovens da elite cristã libanesa.

Já Israel não desfrutava da simpatia de Fadlallah. O líder xiita defendia o boicote a produtos israelenses e americanos. Sua morte ocorre em um momento em que o Hezbollah adota uma posição hostil em relação a UNIFIL (forças de paz da ONU no sul do Líbano), alimentando o temor de uma nova guerra contra Israel. Sem Fadlallah, Nasrallah se sente ainda mais livre para fazer e dizer o que bem entender.

____

Em nome de Deus, o Misericordioso e misericordiador. À Allah pertencemos e a Ele retornaremos.
Ofereço minhas sinceras condolências ao Imam e Zamana, aos membros de sua família e a todos os muçulmanos do mundo por esta grande perda. Maut ul Alim, Maut ul Alam

In the name of Allah, the Compassionate, the Merciful “To Allah we belong, and to Him we shall return”.
My heartfelt condolence to Imam e Zamana to the family members and to all Muslims world over on this great loss. Maut ul Alim, Maut ul Alam

___________

Sobre

Blog @ nazen.tk

“Comentários islamofóbicos, anti-semitas e anti-árabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores não serão publicados. Tampouco ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Pessoas que insistirem em ataques pessoais não terão mais seus comentários publicados. Não é permitido postar vídeo. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes” (*)

O comunicador e ativista político, Nazen Carneiro, formado em Relações Públicas pela Universidade Federal do Paraná, foi correspondente internacional temporário de “Gazeta do Povo” em Teerã, no Irã. Já fez reportagens do Irã, Romênia, Turquia e Grécia, escrevendo sobre a relação do Oriente Médio com o mundo.

Tendo passado pelo Rádio, atua também como ativista cultural e produtor independente do evento mundial pela paz, Earthdance.

Leia os blogs recomendados ao lado.

Tags da rede Soyloco